sexta-feira, 22 de junho de 2012

Centro da cidade em dia de chuva.

Fizemos uma amostra de como fica o centro de Fortaleza após uma chuva como essa de hoje. Preparem os corações!

Foto 1:

Esta instalação propõe aos moradores que nadem, já que andar nas calçadas é difícil. Esta arte contemporânea está em exibição (quase) todos os dias, mesmo em dias ensolarados, na esquina entre as Ruas Pedro I e  Major Facundo.



Foto 2:


Piscina em frente a Praça Murilo Borges também refresca a população. Vocês conseguem ver bueiros na imagem? Pois parabéns, é porque não tem mesmo!


Crédito das legendas: Cleber Cordeiro.


Pessoal, em virtude da chuva que insistiu em não cessar, aumentando o refresco da população e as piscinas naturais municipais, nos sentimos obrigados a atualizar e ampliar este post.


Temos mais algumas refrescantes imagens do centro no dia de hoje, para o deleite de todos. As imagens são do fim da tarde, com a água do dia inteiro acumulada nas ruas.


Esquina das ruas Pedro I e Major Facundo, pela manhã.

pela tarde, no mesmo local.
A Rua Pedro I parecia um córrego em quase toda a extensão, e na ruas próximas a situação era a mesma. Aos lojistas, com essa chuva e a greve de ônibus, só restou tentar manter a loja seca, já que clientes eram raros.

Rua Pedro I.

Rua Pedro Pereira.


Jato d'água nos pés dos pedestres.

vendedores parados.

água correndo na rua General Sampaio.


Na avenida Duque de Caxias, as pessoas se aventuravam ao fazer coisas que costumam ser corriqueiras, como atravessar a rua ou esperar o ônibus.
Ondas na avenida.


Atravessar as ruas e lavar os pés, tudo ao mesmo tempo.


Cruzamento da Av. Duque de Caxias e Rua General Sampaio.
 Além do centro, outro lugar que costuma ser caótico é a avenida Eduardo Girão, a popular avenida do Canal. E não foi diferente hoje. Com o canal completamente cheio, a avenida mais parecia um rio em vários trechos.
Posto de gasolina na Av, Eduardo Girão.



Este foi o melhor ponto de travessia que o ciclista achou.

Pessoas se arriscam ao caminhar com água na altura dos joelhos.

Diversos carros ficaram pela rua hoje.

Apesar do grande volume de chuva que tivemos hoje (a segunda maior do ano, segundo a FUNCEME), certamente muitos desses pontos de alagamento não existiriam se houvesse mais bocas de lobo pela cidade, especialmente no centro. E sem lixo atirado pela população, claro. Isso, somado à impermeabilização cada vez maior do espaço urbano, só mostra que o quanto é deficiente a infraestrutura de nossa cidade, em especial o sistema de drenagem quase inexistente.

4 comentários:

  1. Nosso querido governador queria um aquário... Conseguiu um enorme.

    ResponderExcluir
  2. Eis um aquário natural e ecologicamente correto, Sr. Governador, muito obrigado pela sua incrível capacidade de gestão.

    ResponderExcluir
  3. Bom... falando um pouco sério agora. O dimensionamento de drenagem urbana é feito conforme as séries históricas do local, isso todo mundo sabe, mas por que quando há uma solicitação pouco maior esse sistema não dá conta? Por causa da latente educação de nossa população que não sabe distinguir um bueiro ou uma calçada de uma lata de lixo. Essas galerias não foram feitas (e realmente não devem ser) para carrear sacos plásticos ou entulho de qualquer natureza. Experimente colocar um saco plástico com lixo dentro do vaso sanitário de sua casa... Melhor não né? Você já sabe o que vai acontecer... :(

    ResponderExcluir